Não te assusta com a sombra, faz parte de nós...


...há belezas não descobertas no obscuro, olhe e veja!

quarta-feira, 16 de julho de 2008

.da repetição dos dias

Quantas vezes a gente acorda e quer fazer o diferente?
Quantas vezes a gente deita tentando ter feito o diferente?
E enquanto o sono vem chegando analisa, que diferente não foi nada, nada além do pensamento incomum, incomum de ter pensado que hoje as coisas poderiam mudar!
E percebe-se que de diferente, só a GENTE mesmo, que sente, o que pouca gente sente, e que tenta, talvez em vão, fazê-los perceber que diferentes, eles do TODO, nada são!


vide post recente http://umaasadosilencio.blogspot.com/2008/07/o-animal-que-no-fala.html

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Mama, I'm leaving hooooooome...

É!
To saindo de casa, definitivamente, estou saindo de casa!!
Sim, pq nunca me senti adulta, ou morando "fora" enquanto em Porto Alegre, acho que foi pq eu precisei vir p Poa apenas para estudar, e não pq eu escolhi isso.Mas agora é diferente, ooooh se é!!Agora eu estou indo por escolha própria, EU decidi que tava na hora de mudar, de crescer, de pupar para depois virar uma bela mariposa (sim, há mariposas LINDAS, coloridas, não apenas aquelas pardas e estranhas).
Tá, OK, admito, tiveram vários motivos para eu ter escolhido essa mudança tão drástica.
Finanças, detestar a ufrgs, amar o namorado, querer ficar perto do pai mais um bocado de tempo... mas isso n importa, pq eu poderia ter dito não!

É fácil??
Nem um bocado!
Tantas coisas para preparar, arrumar, desalugar o ap, achar lugar para os móveis, transportar meus bebeins (capaz que deixo meus gatitos amados para trás, to longe há 3 dias e já n me aguento de saudades!!!).
Preparar a despedida no boteco e pizzaria, que deu errado (pizzaria lotada até p reserva, só comigo ¬¬), dar tchau às pessoas...

Mas nada dói mais do que ver a mãe ainda não querer assimilar os fatos, e me perguntar sobre eles todos os dias, ver ela chorar na rodoviária, e eu ter que segurar; "abandonar" minha casa de origem, meu quarto e roupeiro novos, exatamente do jeito que eu queria; abraçar a melhor amiga as 5h da manhã na frente de casa, e não conseguir largar, pq ela chora copiosamente, e eu tenho que segurar; e no mnuto seguinte chegar em casa, e soluçar até borrar a maquiagem a prova-d'água.

Dá medo na gente!!
Será que vou me adaptar???
Ao clima, às pessoas, a morar novamente com o pai, a ficar sem estudar um tempo, à nova faculdade quando eu re-continuar, a namorar perto em vez de à (maldita) distância, a n ver minha mãetodos os finais de semana, a não poder nem ligar para ela pq a conta sai caro, nem às amigas, pelo mesmo motivo, a dormir em cama de solteiro de novo...

Só sei que agora me sinto dando um grande passo, enorme, importante, e extremamente doloroso.Acho que isso se chama crescer!

Mama, i'm sorry, but i'm leaving home!